Hora de migrar de MEI para ME? Entenda as diferenças e vantagens

julho 28, 2020 · admin

É cada vez maior o número de pessoas que estão empreendendo no Brasil. A maioria das empresas que começam pequenas, se enquadram no regime tributário como um Microempreendedor Individual (MEI). Porém, conforme a empresa cresce, existe a necessidade de migrar de MEI para ME (Microempresa).

Um sonho comum entre todos os empreendedores é ver o seu negócio crescer. Contudo, é preciso ter bastante atenção as informações durante o processo de migração, buscando sempre ajuda de profissionais especializados, mantendo assim o seu negócio saudável.

Neste post, explicamos as principais diferenças entre MEI e ME, as características de cada modelo e outros aspectos relevantes. Assim, você terá mais segurança para optar pelo tipo correto e em quais situações migrar de um para outro.

O que é MEI?

A sigla MEI significa Microempreendedor Individual e é a formatação jurídica de quem trabalha por conta própria. A principal característica desse tipo é sua carga tributária e a facilidade do cumprimento da legislação fiscal, já que o MEI é isento dos tributos federais, que são:

  • Imposto de Renda (IR);
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL);
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS);
  • Programa de Integração Social (PIS);
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Para contribuir e estar regularizado, o MEI deve pagar um valor fixo por meio do Documento de Arrecadação Simplificado (DAS) de acordo com a atividade:

  • predominantes de locação de bens próprios — R$52,25 (não incide ISS ou ICMS);
  • produção ou revenda de mercadorias — R$53,25 (só inclui ICMS);
  • prestação de serviços, exceto locação de bens próprios — R$57,25;
  • atividades mistas onde o microempreendedor faz venda de produtos ou prestação de serviços — R$58,25 (com ISS e ICMS).

Com essa contribuição em dia, o empreendedor tem direito de receber alguns benefícios previdenciários, como licença-maternidade e auxílio-doença.

Para se enquadrar nessa modalidade, é necessário atender a algumas condições, como ter um faturamento de no máximo 81 mil reais por ano, não ser sócio, administrador ou titular de outro empreendimento, não ter mais que 1 funcionário contratado e exercer uma das atividades econômicas permitidas ao MEI.

Leia também: Como abrir um MEI em 5 passos?

O que é ME?

ME é a sigla para Microempresa. A microempresa pode ter um faturamento anual de, no máximo, R$360.000,00. Ou seja, sua estrutura pode ser considerada mais robusta que a do MEI.

  • Além disso, essa categoria possui outras características:
  • possibilidade de contratar até 9 funcionários para comércio e prestação de serviços e até 19 funcionários para o segmento industrial;
  • opção entre os regimes tributários Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real;
  • escolha entre as categorias de natureza jurídica Empresário Individual, EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada), Sociedade Simples ou Sociedade Empresária;
  • permissão para emitir notas fiscais de vendas, tanto para pessoa física quanto para jurídica.

Em muitos casos, os empreendedores optam pelo Simples Nacional, porque o cálculo de impostos costuma ser mais interessante. A contabilização é feita com base em uma tabela específica desse regime tributário, que considera a receita auferida nos 12 meses anteriores.

Vale lembrar que a gestão contábil de uma ME exige a contratação de um contador para o cumprimento das obrigações mensais.

 

Principais diferenças entre MEI e ME

Ao pensar em migrar de MEI para ME é importante estar ciente das diferenças e avaliar em qual o seu negócio se enquadra.

A principal diferença entre MEI e ME é a questão do faturamento. Como vimos, atualmente o limite para o Microempreendedor Individual é de R$ 81 mil e o da Microempresa é de R$360 mil. Porém, existem outras diferenças importantes a serem consideradas:

Formalização: é simples no caso do MEI (online e sem burocracia) e mais complexa no caso da ME (precisa de contrato social);

Funcionários: o MEI pode ter apenas um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. A ME pode ter uma equipe de empregados;

Gestão contábil: para o MEI é simples, pois embora o empresário deva registrar as entradas e as saídas mensalmente, não é preciso ter um livro com a contabilidade da empresa, por exemplo. Já a ME deve cumprir todas as obrigações contábeis de uma empresa normal.

Atividades: Para ser MEI é preciso desempenhar uma das atividades que se enquadram na categoria. Enquanto qualquer atividade pode ser registrada como ME;

Contribuição: o MEI paga valor fixo mensal de acordo com a atividade. A ME paga um valor baseado na receita.

 

Quando vale a pena migrar de MEI para ME?

Quando o MEI estoura o limite de faturamento anual, ele precisa solicitar um novo enquadramento para a empresa. Ao migrar de MEI para ME, o empresário para de pagar o valor fixo e passa ao recolhimento de impostos de acordo com a regra geral do Simples Nacional.

Se o faturamento superar os 20% do limite, esse recolhimento de impostos se dará de forma retroativa, desde o início do ano calendário no qual houve o aumento. Existe também a possibilidade de um MEI decidir a qualquer momento realizar a transição para Microempresa.

De qualquer modo, é necessário que o empresário faça um procedimento de desenquadramento através do site do Portal do Simples Nacional, além de ir à Junta Comercial apresentar uma comunicação e preencher um formulário oferecido pela instituição.

Quer saber como abrir uma empresa de maneira rápida e sem sair de casa? A Vers pode lhe ajudar e tirar todas as suas dúvidas!

 

Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
lynda course free download
download xiomi firmware
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course

Posts relacionados

Conheça nossos E-books gratuitos